Botão Google Seguir

Botão Google Mais

Botão facebook

Botão Twitter Seguir

Botão Twitter Compartilhar

Seguidores

Translate

Total de visualizações de página

Digital clock

Enter your email address:

Delivered by FeedBurner

terça-feira, 23 de maio de 2017

O que acontece no cérebro quando lemos?

Caro Leitor(a),

Dicionário visual

Um grupo de pesquisadores liderado pelo neurocientista Maximilian Riesenhuber, do Centro Médico da Universidade Georgetown, observou o cérebro de 12 indivíduos por meio de exames de ressonância magnética funcional (fMRI). Eles se concentraram numa pequena região envolvida no reconhecimento de símbolos linguísticos, conhecida como “área da forma visual das palavras” (VWFA), localizada na superfície cerebral, atrás da orelha esquerda. A VWFA análoga no hemisfério direito é a região facial fusiforme, que nos permite reconhecer faces. Em crianças pequenas e pessoas analfabetas, ambas as regiões respondem a rostos. À medida que aprendemos a ler, a área VWFA é incorporada para o reconhecimento das palavras.
Os pesquisadores apresentaram aos participantes uma série de termos reais e inventados. As palavras sem sentido ativaram respostas de um amplo conjunto de neurônios nessa região, enquanto subgrupos diferentes de células neurais reagiram aos termos conhecidos. No entanto, depois que os voluntários foram treinados para reconhecer as pseudopalavras, os neurônios responderam a elas como se fossem reais, segundo artigo publicado em março no Journal of Neuroscience. Riesenhuber diz que os termos sem sentido não tinham nenhum significado, assim ele deduziu que as células neurais respondem à ortografia das palavras (como se parecem), e não ao seu significado.
Então, à medida que nos tornamos mais proficientes na leitura, construímos um dicionário visual na área VWFA, enquanto acumulamos um catálogo de rostos familiares no lado oposto do cérebro.
“Ouvimos” as letras 
A escrita nos permite criar e compreender as palavras sem ouvi-las. Certo? Não totalmente, segundo um estudo da Universidade de Pavia, na Itália: a sonoridade das palavras é um elemento essencial para a leitura.
Quando ouvimos alguém falar, a atividade neural se correlaciona com o “envelope de som” de cada palavra – a flutuação do sinal do áudio corresponde à variação do funcionamento cerebral ao longo do tempo. O neurocirurgião Lorenzo Magrassi e seus colegas submeteram 16 indivíduos a eletrocorticografia (ECoG) – uma técnica invasiva na qual os eletrodos são colocados cirurgicamente no cérebro – e mediram a atividade neural diretamente da superfície da estrutura geradora de linguagem, conhecida como a área de Broca, enquanto os participantes liam um texto em silêncio ou em voz alta.
O funcionamento mental se correlacionou com o envelope de som do texto que liam, o que foi gerado bem antes de dizerem algo e mesmo quando nem planejavam falar, segundo artigo publicado em fevereiro na Proceed-ings of the National Academy of Sciences USA. Ou seja, a área de Broca respondeu à leitura silenciosa de maneira bem similar à qual neurônios auditivos reagiram ao texto dito em voz alta, como se essa estrutura cerebral gerasse o som dos termos para que os leitores pudessem ouvi-los internamente. A descoberta reacende um debate: o significado simbólico do conjunto de letras é codificado no cérebro por um padrão neural ou por atributos mais simples, como sua sonoridade? Os resultados reforçam as evidências de que as palavras são fundamentalmente processadas e catalogadas por formas e sons básicos.
Esta matéria foi publicada originalmente na edição de setembro de Mente e Cérebro, disponível na Loja Segmento: http://bit.ly/1Xgizxu


Segue o resumo  de  livros disponibilizados para compra neste Site.

1) Moderno Dicionário de Economia - 742 páginas

Esta obra tem como objetivo, a importância da pesquisa voltada para os termos da velha e a nova Economia e demais áreas correlacionadas.

No intuito de enriquecer o conteúdo deste “Moderno Dicionário de Economia”, faz parte desta obra, os termos voltados para a Globalização, Crises Financeiras, Bolsa de Valores, Petróleo e outros. Esta primeira edição é composta de 2.300 verbetes. O dicionário foi escrito no ano 2000.

2) Petróleo e Gás Natural - 680 páginas

Esta obra tem como objetivo, a importância da pesquisa e o conhecimento sobre  o Petróleo e Gás Natural, bem como suas aplicações para o consumo.

No intuito de enriquecer o conteúdo, faz parte desta obra: A História do Petróleo, O Petróleo no Mercado Brasileiro e Internacional, O Gás Natural, Os Dutos no Brasil, A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e o Fundo Monetário Internacional no Mercado de Petróleo, Estatísticas de Produção e Reservas Mundiais de Petróleo e Gás Natural, Cronologia do Petróleo, Glossário de Termos Técnicos, Glossário de Termos Geológicos e muito mais.

O livro foi escrito no ano 2003. Tem grande importância para os profissionais, estudantes e todas as pessoas interessadas no conhecimento sobre os importantes recursos naturais de nosso planeta que poucos conhecem a sua origem e suas aplicações.

3) A Crise Financeira Internacional na Era da Globalização - 349 páginas

Quando estourou a crise asiática no dia 23 de outubro de 1997 em Hong Kong, e a crise russa no dia 17 de agosto de 1998, noticiada pela mídia e pelos jornais de todo o mundo, como economista, despertou-me o interesse pelo assunto, e comecei a fazer o acompanhamento diário dos problemas econômicos e financeiros que abalou os países ricos e emergentes.

A preparação deste livro está baseada na extração dos fatos históricos mais importantes que aconteceram durante a trajetória das crises, no período entre de outubro/97 e janeiro/99. O livro foi escrito no ano 2000.

Esta obra tem como objetivo, a importância da pesquisa em cima dos fatos ocorridos durante a trajetória das crises, registrando as influências nos “mercados de ações”  no mundo globalizado, bem como as conseqüências diretas nos países ricos e emergentes.
É uma obra de fatos históricos nas áreas econômica e financeira, ocorridos no final do século 20, que servem como fontes de estudos, debates e conclusões entre os profissionais e estudantes da área.

No intuito de enriquecer o conteúdo do livro, faz parte desta obra, o exemplo prático de como acontece o ataque especulativo num determinado país; a Análise em relação às Bolsas de Valores, feita pelo economista canadense naturalizado americano, John Kenneth Galbraith; a Comparação entre as crises de 1929, 1987 e 1997; as Crises e os blocos econômicos; Perguntas e respostas sobre os aspectos econômicos na trajetória da crise financeira internacional; e o Glossário de economia.

4) Pesquisas Geográfica, Demográfica e Econômica-Social dos Continentes e Países - 772 páginas

O livro foi escrito no ano 2001. Tem como objetivo, a importância das pesquisas nas áreas geográficas, demográficas e econômica-social de cada continente e país, com informações de supra importância para estudantes secundários, universitários, e empresários com interesse na expansão dos seus negócios no comércio internacional.

É uma obra composta de várias estatísticas importantes e informações sobre a cronologia da crise financeira internacional que começou pela Ásia em 1997, os blocos econômicos e o meio ambiente.

No intuito de enriquecer o conteúdo do livro, faz parte desta obra, informações sobre as organizações internacionais que participam do desenvolvimento econômico de cada nação.

Você encontrará também outros excelentes Livros e E-books para  melhorar ainda mais os seus conhecimentos e cultura.

Boa Leitura!

Obrigado pela sua visita e volte sempre!

Hélio Cabral
heliocabral@coseno.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário